Processo de habilitação “de genere” de Bernardino António Coelho, filho de Domingos Rodrigues Coelho e Ana Maria, natural de Borba, para ser admitido a prima tonsura, a ordens menores e ordens sacras.

Description level
File File
Reference code
PT/ADEVR/FE/DIO-CEEVR/A/012/00545
Title type
Atribuído
Date range
1756 Date is certain to 1764 Date is certain
Dimension and support
1 proc. (415 f.), papel.
Scope and content
Constam: inquirições "de genere" que se fizeram na freguesia de Nossa Senhora das Relíquias, termo da vila do Canal, naturalidade do avô paterno, Manuel Coelho, na freguesia de Rio de Moinhos, termo de Borba, naturalidade da avó paterna, Maria Rodrigues, em Borba, naturalidade do avô materno, Manuel Fernandes (foi baptizado em Vila Viçosa porque os pais estavam na vila ocasionalmente), e na vila de Campo Maior, naturalidade da avó materna, Domingas Gomes, e inquirições de "vita et moribus" que se fizeram em Borba e em Évora, por requisitória, secretas e comissões de Frei Jerónimo de São José, provisor das justificações "de genere" do Arcebispado de Évora; contém as certidões de baptismo do habilitando, dos pais e dos avós paternos e maternos; o processo de património que contém, entre outros documentos, a escritura de doação para ordens sacras que fizeram os pais do habilitando, os editais do património afixados na Igreja de São Bartolomeu e na Matriz de Borba, as diligências de visita e avaliação do mesmo e a carta de prima tonsura e ordens menores; e os documentos inerentes para receber de ordens de evangelho e de missa (cartas de ordens de epístola e de evangelho, mandados, comissões e secretas para se fazerem inquirições de “vita et moribus”, declarações em como não possuia impedimento para receber as ordens requeridas, declarações em como exercitara as mesmas, petições do habilitando para correr folha pelos escrivães do juízo da conservatória secular, da correição geral e do juízo eclesiástico, e os deferimentos para auferir as ordens).

O habilitando ficou impedido de ser promovido a ordens menores por fama de cristão novo por parte da avó materna, filha de Manuel de Góis (dizia-se que em casa de seu pai existia um painel com fogo revolto) e de Catarina Martins. Lopo Silveiro, tio materno do habilitando, ficou impedido de receber ordens pelo mesmo motivo mas foi provado ser falsa a denuncia de cristão novo.

O habilitando apresentou documentos comprovativos e revogatórios do impedimento, entre eles constam a árvore genealógica dos ascendentes maternos em que declara ser familiar do Padre João Lopes, reitor da Igreja de Santa Maria de Olivença, filho de Francisco Lopes e Maria Fernandes, natural de Campo Maior. Ficou provado que o impedimento não tinha fundamento.
Access restrictions
Documento de consulta livre.
Physical location
Mç. nº 70, Proc. nº 545
Language of the material
Português e latim.
Physical characteristics and technical requirements
O f. 354 está solto. Alguns fólios possuem trespasses de tinta que dificultam a leitura dos documentos.